Produtividade

5 Sinais para detectar o micromanagement em sua empresa

Há muitos funcionários que alegam ter lidado com um chefe que tentou dirigir e participar de cada uma das tarefas executadas pelos vários departamentos e membros da empresa. Esse tipo de prática é conhecido como microgerenciamento e é prejudicial para as organizações, pois retrai o progresso e prejudica a confiança dos colaboradores.

O dicionário Merriam-Webster define micromanagement (microgerenciamento) como “dirigir controlando em excesso ou prestando muita atenção aos detalhes”. Por isso, falamos de um conjunto de práticas realizadas por qualquer gestor ou chefe de departamento para conhecer os detalhes de cada uma das atividades realizadas por sua equipe.

Encontre aqui: Os 3 erros que diminuem a produtividade

Esse tipo de gerente gosta de focar sua atenção nos menores detalhes. Mesmo nos processos mais insignificantes. Além disso, geralmente interfere em questões operacionais quando deve estar ciente da estratégia corporativa. Para evitar isso, neste post vamos explicar cinco sinais que lhe permitirão detectar esta prática a tempo e criar planos de ação:

  • Atitude perfeccionista

Os gerentes que microgerenciam podem ser facilmente identificados porque eles não toleram o menor erro e estão envolvidos em todos os detalhes para alcançar um grau presumido de perfeição que se ajude às suas expectativas. Todos os bons chefes devem ensinar os colaboradores a se focar nos detalhes, mas sem lidar constantemente com eles, nem diretamente.

  • Falta de preparação

Apesar do bom desempenho que uma pessoa pode mostrar em um cargo, isso não o torna automaticamente um líder. Direcionar envolve delegar tarefas, motivar nossa equipe de trabalho e orientar as pessoas para alcançar as metas delineadas na estratégia corporativa. Em última análise, não ter a preparação adequada pode impedir o crescimento dos membros da equipe.

Te pode interessar: 4 Razões para promover e desenvolver seu talento humano

  • Personalidade

Existem chefes que geralmente gerenciam mais no micro do que no macro, porque sentem mais prazer ao se focar nos detalhes do que na gestão global. No entanto, devemos fazê-los perceber que nem tudo merece a mesma atenção. Para além disso, eles geralmente não agem da melhor maneira quando há problemas imprevistos na administração da organização.

  • Cultura organizacional

Existe uma cultura organizacional baseada no controle e supervisão constante que ainda persiste em várias organizações. Isso promove um ambiente de trabalho rigoroso, no qual os chefes de departamento exigem relatórios detalhados para cada tarefa realizada por seus colaboradores e acreditam que são os mais aptos a decidir sobre cada questão. Eles também se opõem a dar maior autonomia aos seus funcionários, porque eles não confiam em suas habilidades ou em seus critérios.

  • Estrutura hierárquica

As empresas com estruturas hierárquicas e não horizontais são mais propensas a adotar práticas de micromanagement. Quando os processos de comunicação e tomada de decisão dependem de uma sucessão de níveis hierárquicos, tudo fica mais lento e os empregados não encontram espaços de participação em que sua opinião é levada em conta.

Recomendamos: 5 Estratégias para conseguir o compromisso de seu talento humano

Devemos confiar nos funcionários de nossa empresa e evitar restringir sua liberdade para não afetar seu desempenho e desenvolvimento profissional. No outro caso, teremos uma equipe sufocado por seus pedidos, sem confiança em seu trabalho e insatisfação com o ambiente de trabalho da empresa.

Não é necessário controlar nem perseguir nossos colaboradores. Estamos lidando com profissionais que conhecem suas funções dentro da empresa. Se você se identificou com alguns desses sinais, acabará gastando seu tempo resolvendo problemas que preocupam outros tipos de pessoas. Finalmente, lembre-se de que um bom líder guia, ouve e motiva.

Avalie o desempenho de sua equipe facilmente e aumente a produtividade e a retenção de talentos em sua organização