Produtividade

Serviço e empatia: dois valores necessários em sua organização

A paixão pelo serviço e a empatia são dois valores que deveriam se promover dentro de qualquer organização. São valores positivos que podem transcender e refletir-se de maneira cíclica na vida laboral e na profissional, fomentando a construção de uma cultura organizacional baseada em relações interpessoais positivas, pro-atividade, colaboração e noção de trabalhar com mais afinco na equipe.

Geralmente pedimos a nossos colaboradores que se formem em habilidades de serviço e empatia para o cliente externo pois isto traz benefícios em vendas, imagem, marketing, entre outros departamentos. A proposta esta vez é ver os benefícios de cultivar estas habilidades para a interação com o cliente interno, é dizer que os outros companheiros de trabalho, independentemente da área ou cargo que exerçam.

Primeiro, vamos ter em conta por que é importante ‘servir’ as pessoas com quem trabalhamos. Igualmente, compreendemos qe não há negócio que sobreviva se o cliente não tiver interesse por parte do colaborador em resolver suas dúvidas e ajudar na construção de soluções para seus problemas, devemos entender que não há empresa que se desenvolva com sucesso se os colaboradores não sintam um ambiente de colaboração e trabalho na equipe, pois não vão sentir motivação para se manter comprometido na empresa, retirando o salário da equação.

Leia também: 4 conselhos para reter seu talento humano

Ser serviçal implica entender as diferentes áreas da organização como parte de minha equipe de trabalho, ainda que não se conectem diretamente com meu dia-a-dia laboral. Isto implica estar disponível para contribuir para resolver problemas, desde escutar um companheiro para fazer sua apresentação antes de uma reunião importante e dar feedback, caso não seja um tema de interesse, até ajudar a resolver um simples problema de Excel que um companheiro em formação sinta.

Ambas as ações exigem uma quantidade distinta de tempo e esforço, mas ajudam a formar uma cadeia de favores e a pessoa qe sentiu o apoio desinteressado daquele companheiro de trabalho se sentirá motivado a ajudar a outra quando for necessário.

A atitude de serviço implica a observação de necessidades do outro e o auto-reconhecimento para saber as habilidades e conhecimentos próprios como pode ajudar, sem que seja pedido pessoalmente nem descuidar mais responsabilidades, a meus companheiros de trabalho para otimizar as atividades laborais e manter a motivação desde o trabalho em equipe. Neste ponto, entre em jogo a produtividade, destacada pela habilidade de fazer distintas atividades em prol de um objetivo sem que seja pedido passo a passo.

Te pode interessar: Três conselhos para fomentar uma cultura de reconhecimento em sua empresa

Para além disso, os colaboradores serviçais se empoderam e tendem a se organizar de tal maneira que possam cumprir com suas tarefas e ajudar na execução de outras, otimizando tempo, ajudando à aprendizagem, aperfeiçoando tarefas e processos, motivando e construindo cultura. Quando o serviço faz parte da cultura organizacional, é possível gerar sinergia nas ações dos colaboradores, as área e a organização em si, o que se traduzirá em um trabalho em equipe conectado em prol dos objetivos organizacionais.

Neste ponto entra a parte da empatia. A empatia é a habilidade cognitiva que podemos gerar nos seres humanos para entende emocional e racionalmente a sitação alheia. Ao poder compreender totalmente a situação alheia desde a perceção do otro, sem esquecer a posição própria, se geram bases positivas para o relacionamento humano.

Veja: A inteligência emocional: fator chave na liderança

A empatia constroi uma cultura altruista positiva pois serve para atenuar as atitudes de natureza egoísta ou competitiva. Ao compreender a situação dos demais companheiros de trabalho, se promovem ações colaborativas se há problemas, motivadoras se houver sucesso e de apoio se houver dificuldades. De novo, é uma habilidade suave (soft-skill) que, ainda que não seja fácil de encontrar, de uma maneira genuína pode se formar.

Para formar uma cultura empática é muito importante construir bases de relacionamento desde a comunicação construtiva e positiva. A comunicação deve ser sempre feita com o objetivo de entender que existem várias posições possíveis face a um problema, mas deve haver abertura para ouvir as demais posições e priorizar o bem-estar do mais afetado. Por outro lado, deve ser construída uma dinâmica de busca de soluções para os problemas e não problemas às soluções para contribuir também para a produtividade da equipe.

Leia também: 7 conselhos para melhorar a comunicação de um líder.

Concluindo, o sentido de serviço e a empatia se juntam para construir desde a base da cultura organizacional a formação das habilidades suaves que vão contribuir para o alinhamento dos colaboradores não apenas com os objetivos organizacionais mas também com as atividades de cada um deles. Estes valores permitem que a equipe passe de um conjunto de indivíduos para uma força conjunta em constante sinergia e colaboração.

Avalie o desempenho de sua equipe facilmente e aumente a produtividade e a retenção de talentos em sua organização